Escrevendo

Dificuldade para ler

Olá! Como vão?

Sim, estou muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito distante deste blog, mas é porque não estou naquele espírito criativo para postagem aleatórias.

Hoje, porém, resolvi usar este teclado para dividir uma certa apreensão com vocês.

Sou só eu ou ultimamente, quando pego um livro pra ler, demoro horrooooooooooooooooooreeeeeeeeeees pra terminá-lo?

Gente, é sério! Rs…

Só este ano, tive dificuldades para concluir três livros: “O Pintassilgo“, de Donna Tartt, “Cem Anos de Solidão“, clássico do Gabriel García Márquez, e, agora, “O Guia do Mochileiro das Galáxias“, outro clássico da ficção científica escrito por Douglas Adams.

Vamos começar pelo primeiro. “O Pintassilgo” era um daqueles livros que eu estava muito curiosa para ler, principalmente depois de ler algumas críticas positivas. Fora que é uma história ganhadora do Prêmio Pulitzer! E a história era bem promissora: no início da adolescência, Theo Decker foi uma das vítimas de um ataque terrorista a um museu em Nova York e que matou sua adorada mãe; aí, na confusão, ele se apropria de um quadro valiosíssimo chamado “O Pintassilgo”, que a sua mãe adorava; nessas de menino órfão, ele morou um tempo no apartamento luxuoso de um amigo de escola; depois mudou-se para a casa do pai em Las Vegas onde conheceu outro amigo, Bóris, e um vasto mundo de bebidas e drogas. Depois da morte do pai, Theo volta para Nova York onde vai morar com um cara muito legal, proprietário de uma loja de antiguidades. O pequeno órfão depressivo e viciado conhece outro mundo e se joga nele. Só que o barato, ao invés de ajudar, “dá ruim” e ele se mete em novas enrascadas.

O Pintassilgo

A história é interessante? Sim, é. Precisava de mais de 721 páginas? NÃO!!! Principalmente quando a escritora usou quase 100 folhinhas para contar dos apertos que o menino tava sofrendo em um quarto de hotel na Holanda. CHAAAAAAAAAAAAATOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!

Comecei a ler o livro ano passado, em novembro, se não me engano, e só terminei em março/ abril deste ano – e na base da força de vontade!

Já o segundo livro, do autor premiado com o Nobel de Literatura, veio da curiosidade em ler clássicos da literatura mundial. O primeiro livro de García Márquez que li foi “Memórias de Minhas Putas Tristes” – devorei o livrinho em dois dias! Achei incrível, super gostoso de ler. Fora que nunca tinha lido nada de escritores vizinhos nossos. Peguei a edição e embarquei na história de realismo fantástico dos Aurelianos e Josés Arcadios Buendía e suas tristes sinas.

Cem Anos de Solidão

CERTEZA ABSOLUTA que abri este livro pra ler num momento errado da vida, porque olha… Só gostei do meio pro final, quando todo mundo estava morrendo!! Ahahahahahahahahahahahahahahaha!!! Gente, sério: quanta diferença de um livro para outro!

“Cem Anos” conta a história das diversas gerações da família Buendía e do povoado de Macondo, desde a fundação até o completo desaparecimento de ambos. E no desenrolar dos fatos, há ciganos – em especial, Melquíades, que surge como aquele que traz grandes novidades ao local e deixa pergaminhos misteriosos que deverão ser decifrados por alguém do clã -; filhos ilegítimos, a Doença da Insônia, guerras civis, o aparecimento da mulher mais bela de todas, a chuva interminável, entre outros.

De novo: a história era interessante? Sim. Estava acostumada com realismo fantástico? Sim. Quem leu “Incidente em Antares”, do Érico Veríssimo, embarca super de boa nessas nóias fantasiosas. Mas foi puxado terminar! Principalmente pelo vai e vem – fala do presente, volta pro passado, joga pro futuro… E como tem muitos Josés Arcadios, Aurelianos, Remédios, você se perde em alguns momentos.

Acho que vou começar a fugir um pouco dos livros “premiados”, porque, coincidência ou não, foram os mais difíceis de terminar! Rs…

E, por último, “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, que a cada duas páginas me dá um sono profundo!! Ahahahahahahahaha! Não consegui chegar nem na página 100!! Isso porque o livro é super curtinho e engraçadinho – tem umas tiradas legais – e quero muito terminar de ler.

O Guia do Mochileiro das Galáxias

[Imagens: @1paulafranco]

Não sei se é o momento, se é cansaço, ou se ainda a história não cativou do jeito que esperava. É muito ruim começar a ler uma obra pela qual você criou grandes expectativas e surgir uma preguiça imensa de terminá-la. Mas sou brasileira e não desisto nunca!!

E com vocês: já aconteceu de abrir um livro na mega empolgação, abandoná-lo ou levar uma viiiida pra chegar no “The End“?

Nos próximos posts, falarei mais sobre minhas leituras – as terminadas, de preferência! Rs…

Anúncios

4 comentários em “Dificuldade para ler

  1. Ah, isso acontece às vezes, comigo, por exemplo, estou em uma época que não consigo nem ler direito, nem escrever. É um saco. Me sinto meio perdida e travada. Mas é tudo questão de fase e costume, dá para ir se moldando, mas tem que deixar a preguiça, no meu caso.

    1. Nossa… A preguiça é o pior! Vai chegando bem de mansinho, e quando você se dá conta, já era! Rs…

      Obrigada por ter lido o post e deixado seu comentário aqui! ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s