Escrevendo

Ainda acham que a culpa é da vítima

Uma em cada 3 pessoas no País ainda acha que vítima é culpada por estupro. Esta é a manchete do Estadão, baseada no resultado de uma pesquisa feita pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e Instituto DataFolha. Foram ouvidas 3.625 pessoas em 217 cidades brasileiras.

De acordo com o levantamento, 85% das mulheres brasileiras têm medo de serem vítimas de agressão sexual. O índice aumenta nas regiões Norte e Nordeste (87,5% e 90%, respectivamente).

Entre os homens, 42% acreditam que “a mulher que não se dá ao respeito não pode reclamar que foi estuprada”. A reportagem do Estadão define esse tipo de pensamento como “enorme déficit civilizatório”.

A pesquisa engloba, ainda, questões sobre o atendimento prestado às vítimas de agressão sexual nas delegacias: 50% dos entrevistados discordaram da frase “PMs são bem preparados para atender mulheres vítimas de violência sexual.”

São porcentagens estarrecedoras, tristes e que demonstram o alto grau de machismo presente no Brasil – entre homens e mulheres, que replicam o que aprenderam e o que veem ao longo dos anos. Principalmente, entre pessoas com menor escolaridade: 47% dos entrevistados com ensino fundamental disseram que as vítimas de estupro são mulheres que não se dão ao respeito, contra 19% dos que têm ensino superior.

Entre os únicos pontos positivos, está a taxa de pessoas (91%) que disseram ser necessário ensinar nas escolas meninos a não cometerem violência sexual.

O debate da violência de gênero tem que estar presente, sim, nas escolas e em casa. Temos que ter exemplos positivos nas nossas vidas. É importante conversar para que possamos entender as mudanças ao nosso redor – e, principalmente, prevalecer o respeito ao próximo. Precisamos extinguir a cultura do estupro da nossa sociedade.

Tamanho de roupa não significa nada quando outro pensar que detém direitos sobre o corpo e a vida de alguém. Basta dar uma olhada neste ensaio com roupas usadas por vítimas de estupro.

Flertar com alguém, ou ser simpáticx, não significa que você está dando brecha para a pessoa passar a mão ou te beijar à força. E isso eu falo por experiência própria. A sensação de nojo que se tem quando um homem pensa que você quer “dar para ele” quando você está apenas conversando de boa e sendo educada é horrível. E, claro, a culpa é sua por ter se comportado daquela maneira, né?!, e não dele por forçar a barra em uma situação que nunca existiu, no meio da rua movimentada do centro da cidade, em plena luz do dia.

Entenda: não é não. Saia curta ou saia comprida não devem ser usadas como justificativa de absolutamente nada. O machismo mata. E a culpa NUNCA é da vítima.

Vamos mudar esse ciclo de violência e medo que, infelizmente, só aumenta. Vamos deixar de sermos ignorantes. E vamos ter mais empatia.

empatia05

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s